Precocidade

Como é possível que alguém consiga criar piada em cima desta imagem. Você também acha engraçado? Onde foram parar os nossos valores?
Um sujeito está andando na rua e vê o Pequeno Johnny a fumar um cigarro. Impressionado com tal situação ele diz:
-MAS O QUE É ISSO??? VOCÊ AINDA É UMA CRIANÇA… NÃO PODE FUMAR!
Johnny olha para cima mas não diz nada.
O homem ainda perplexo com a situação, pergunta:
“Filho, quantos anos você tem?”
O pequeno Johnny responde: “Seis.” Atordoado, o homem diz: “Seis!? Mas isto não pode ser… Você é muito pequeno ainda…
Quando você começou a fumar?”
Johnny responde:
“Logo após a primeira vez que fiz sexo”.
O QUÊ?
“Logo após ter feito sexo? Mas quando foi isso?” Little Johnny responde:
“Já não me lembro. Estava bêbado”.

Professora que mudou de sexo se aposenta frustrada nos EUA

0,,21433706-FMMP,00 Uma pergunta me vem na cabeça: frustrada por quê?
Se era tão importante para ela, quer dizer ele, não, ela, trocar de sexo por que demorou tanto? 75 anos, gente? Não é tanto fora de hora? Tá bom, tudo bem, estou sendo preconceituosa. Me desculpem, mas então não fique frustrada. Nos Estados unidos ainda se espera que quem nasce homem permaneça homem, ou não escolha profissões que envolvam educação de crianças. Tem pais que não aceitam essas “extravagâncias”. Acho que nem ela, afinal, esperou até 75 anos para resolver o que queria ser na vida.
Leia a notícia no G1
Aproveite a aposentadoria com o seu novo “look”, e boa…

Pais não revelam sexo de sua criança de dois anos e meio

unknown1Um casal de 24 anos na Suécia levou esta prática além dessa realidade. Eles se recusam a dizer o sexo de sua criança (na foto acima), que já tem dois anos e meio de idade. “Queremos que Pop cresça com maior liberdade e que não seja forçado a um gênero que o/a moldará”, disse a mãe. Pop (um nome fictício para proteção da criança) usa vestidos e também calças masculinas e seu cabelo muda do estilo feminino para o masculino a cada manhã. Apesar de Pop saber as diferenças entre um menino e uma menina, os pais se recusam a adotar pronomes para chamar a criança.

Tem gente que vai longe demais com a desculpa de proteger o direito de escolha. As crianças tem direito de serem orientadas, de serem cuidadas, de aprenderem a lidar com as inerências do seu sexo, e, acima de tudo de serem protegidas. Em um país que prima pelas diferenças que faz questão de alardear, pode até parecer apenas esquisita a atitude desses pais.
Mas de que forma eles pretendem que a criança aprenda as diferenças de ser menino ou menina privando-o de assumir a sua natural condição? Será que estão brincando de espião? Colocam a criança entre meninos como menino para que ele aprenda a ser menino; colocam-no entre meninas para que aprenda a ser menina. Aí ele escolhe?
Gente estamos falando de uma criança de 2 anos!
Não tinha outra forma menos danosa para que esses pais fossem notícia?
É loucura demais para a minha pobre cabeça…

Fanatismo

abdullah“Um menino de apenas 11 anos foi preso no Afeganistão junto a guerrilheiros do Talibã enquanto cruzava a região da fronteira com o Paquistão carregando explosivos. Abdullah foi entrevistado pelo jornalista Bill Neely, da rede de TV britânica ITV. Ele é o mais jovem entre os prisioneiros mantidos num centro de detenção de segurança máxima de Cabul.
Segundo a reportagem da ITV, apesar de ser tão novo, Abdullah aprendeu os princípios da jihad na escola religiosa em que estudou. Órfãos, ele e seu irmão (de dez anos) passavam o dia estudando o Alcorão, e à noite aprendiam a usar pistolas e fuzis Kalashnikov, que ele preferia por achar o gatilho mais fácil de apertar.”
O jornalista ficou chocado diante do fanatismo da criança e não é para menos. O fato de crianças de 11 anos decididas a morrer, por uma razão que consideram justa, chocaria qualquer um. Aliás, em que idade alguém está apto a tomar decisões baseadas em “lavagem cerebral”?
Esta criança, Abdullah, está presa junto com outros guerrilheiros, terroristas, e, possivelmente, recebendo tratamento inadequado. Quem responde por ela? Esse é um crime hediondo que para os talibãs é modo de vida. Que futuro pode esperar por essa criança? O mesmo que espera as nossas crianças exploradas pelo tráfico.

Abuso

sofrerOntem me vi diante de mais um caso de extrema crueldade. Uma adolescente mantida prisioneira por seus tios em um porão, sem ventilação, com duas crianças, uma das quais nascida há sete dias. O pai das crianças, seu tio, contava com a ajuda da esposa nesse quadro doente e maldoso.(Recomendo acompanhar o programa da Discovery – Atração Fatal)
Não se sabe há quanto tempo o cativeiro durava, a menina não soube responder, só se sabe que ela veio do nordeste com 8 anos. Façam-se as contas.
A polícia seguiu uma denúncia de suspeita de algo errado estar acontecendo na casa. Como conseguiram manter esse segredo em um lugar onde as casas se amontoam? Quando a polícia chegou ninguém apareceu. Parecia casa vazia até que encontraram a entrada do porão. Um dos nenéns, carregado pela mãe, estava nu e podiam ver-se marcas de sarna, e a menina ainda sangrava devido ao parto de há sete dias. Pode imaginar-se o sofrimento que essas crianças agüentaram, em especial essa menina-mãe.
Esta é a raça humana. Também prefiro os bichos.

Obs. Olhei alguns sites para pegar referências da notícia e não encontrei nada. Assisti a reportagem no Record News, ontem à noite.

Cuidado

selocontraapedofilia11Os padrastos são os principais suspeitos de abuso sexual.
Este é um fato que alerta a todos os recasados. A coragem de tentar recriar a família nem sempre dá certo, além de incorrer-se no risco de colocar os filhos sujeitos à possibilidade de serem molestados sexualmente. Nem todos os padrastos são pedófilos ou abusadores sexuais, mas é um alerta. Ao iniciar um nova relação há que conhecer muito bem o parceiro(a). Sabemos que tem pais que usam o incesto para dar vazão às suas fantasias libidinosas, mas os padrastos molestadores são em número muito maior.
Quando se fala em pedofilia na rede internet, precisamos atentar para o fato de que nem sempre o perigo mora na net, mas na maioria das vezes está debaixo do nosso teto. Tudo o que precisa é ficar-se atento e agir antes que o mal se consuma. Não existe ex-pedófilo, nem ex-estuprador. Cuidado com os seus relacionamentos. Cuidado com quem trazemos para dentro de casa.