Por onde ando…

Quando comecei com este blog me preocupava a idéia de não dar-lhe seguimento. Na verdade falta-me disciplina. A falta de disciplina sempre foi um grande problema na minha vida,e, nem a idade dá um jeito nisso.
Fujo de compromissos que nem ” o diabo da cruz”, e só de pensar que devo colocar alguma coisa aqui diariamente me deixa inquieta. Então, sigo minha costumeira indisciplina e faço outras coisas. Parada não fico que não é do meu feitio.
Vejo que os visitantes do meu blog aumentaram e esses visitantes merecem todo o meu respeito. Peço, então, que me aceitem do jeito que sou, e quando não houver nada de novo deiam uma olhada em posts antigos. Pelo jeito as coisas não mudam…Só o tempo passa!
Deixo aqui, hoje um vídeo que assisti pela manhã e que me divertiu. Boa semana a todos.

Maitê e Sintra

Como a maioria dos portugueses, apesar de viver no Brasil, minha segunda pátria que amo e respeito, me senti ofendida com as ofensas e a “ignorância” da conceituada atriz nas altas esferas artistícas. Muitas vezes já fui ofendida por alguns brasileiros que acham que português que reside no Brasil tem ouvidos de “penico” ou é tão idiota que não percebe a rivalidade entre nossos povos. A conversa “pra boi dormir” DE QUE SOMOS PAISES IRMÃOS não pega mais. Não existe necessidade de nos proclamarmos países irmãos se não sabemos sequer respeitar nossas diferenças. Porque o estopim do português é minúsculo resolveu-se atribuir-lhe o epípeto de “burro”. Não somos burros mas somos intolerantes com a burrice, o que não nos torna melhores. A história mostra claramente que de burro não temos nada, mas se a necessidade de nos catalogarem por baixo de alguma forma diverte os brasileiros é um preço pequeno a pagar pelo carinho e amor com que somos tratados na intimidade.
Mas voltando ao assunto Maité e ao seu vídeo, não vou esclarecer que a cidade de Sintra há muito é património da humanidade e que ela deve ter-se perdido em alguma viela, que existem por lá também. Quem conhece Sintra deve ter achado que ela falava de algum outro lugar. Mas deixemos de lado a análise do vídeo que me ocuparia muito tempo. Só uma perguntinha para a Maitê: Por acaso a senhora pensou, por algum momento, que esse vídeo ficaria na moita? (sabe o que é moita, não?) Ainda bem que não gostou de Portugal pois imagino que não vai querer voltar lá. Mande, se sobrar, a importância em reais que gastou para fazer a sua reportagem que eu vou até lá e refarei a sua viagem e a sua reportagem, desta vez com respeito por um povo que sempre soube receber os brasileiros com o carinho que sempre mereceram. Não acredito que vão mudar por este contratempo. Afinal, a gafe da senhora logo estará esquecida. A vida é bem mais importante que essa ninharia.