O Estresse na nossa vida!

O estresse psicológico está associado com a perda da capacidade do organismo em regular a resposta inflamatória, dá conta um novo estudo publicado nos “Proceedings of the National Academy of Sciences”.

Nas últimas cinco a seis décadas, os investigadores associaram o stress ao desenvolvimento de doenças, nomeadamente depressão, doenças cardiovasculares e infecciosas. “Não existem muitas dúvidas que os indivíduos stressados apresentam maior risco de desenvolver estas doenças ou as contraem com maior severidade. Mas como é que o estresse afeta o desenvolvimento da doença é uma questão que ainda permanecia por responder”, revelou em comunicado de imprensa, o líder do estudo, Sheldon Cohen.
Uma possibilidade que tem sido proposta é que os indivíduos estressados são simplesmente menos saudáveis pois fumam, ingerem maiores quantidades de álcool e dormem menos horas. A outra possibilidade, avaliada agora neste estudo, é que os hormônios que respondem ao estresse poderão desempenhar um papel importante no desenvolvimento das doenças.
Para testar esta hipótese os investigadores da University of Pittsburgh, nos EUA, contaram com a participação de 276 indivíduos saudáveis que foram submetidos a um questionário para avaliar o seu grau de estresse. Os participantes foram expostos a um vírus causador da gripe comum e acompanhados, ao longo de cinco dias, de forma a verificar a existência de algum sinal de infecção e doença.
Os investigadores constataram que os eventos estressantes prolongados estavam associados com a incapacidade de as células do sistema imunológico responderem aos sinais hormonais que regulam a inflamação. Assim, os indivíduos incapazes de regular a resposta inflamatória foram mais suscetíveis ao desenvolvimento da gripe quando expostos ao vírus.
Num segundo estudo, foi avaliada a capacidade de 79 indivíduos regularem a resposta inflamatória sendo estes posteriormente expostos ao vírus da gripe. O estudo apurou que os indivíduos com menor capacidade em regular a resposta inflamatória produziam mais citoquinas pró-inflamatórias, mensageiros químicos que despoletam a inflamação, quando infetados.
“A capacidade do sistema imunológico em regular a inflamação dita quem irá desenvolver gripe, mas mais importante ainda é que fornece uma explicação de como o estresse promove a doença”, revelou Sheldon Cohen. ”Sob estresse, as células do sistema imunológico são incapazes de responder ao controle hormonal e, consequentemente, produzem níveis de substâncias inflamatórias que promovem a doença. Como a inflamação desempenha um papel importante em várias doenças como as cardiovasculares, asma e doenças autoimunes, este modelo explica como é que o estresse tem impacto nestas doenças.”
“Agora, sabendo isto, é importante identificar quais as doenças que são afetadas pelo estresse e adotar medidas de prevenção nos indivíduos cronicamente estressados”, conclui o investigador.

No meu caso, a pesquisa chegou um tanto atrasada….rs melhor rir!!!!!

Anúncios

Era uma vez…

Esta historinha chegou por email e quero partilhar aqui…quem sabe alguem está precisando de um “dedim de prosa”… Se você está precisando de um “dedim de prosa” não se “aveche”… procure alguem que, pelo menos, tenha boas “oiças”…

– Tardi, Dotô.
– Boa tarde. Sente-se..
– Careci não. Ficu di pé, memo.
– Sente-se para eu poder examinar.
– O Dotô é quem manda.
– Mas fale-me. O que está acontecendo?
– Ai, Dotô! Mi dá umas dor di veiz in quandu.
– Que dor?
– Aqui, óia. Nu estromagu. Beeem lá nu fundinhu.
– Forte?
– As veiz. Trasveiz é anssim ó, di mansinhu.
– E o que você faz?
– Tem veiz que eu cantu. Trasveiz eu vô pra cunzinha fazê um bolu.
– Tem outra dor?
– Tenhu, sim, Dotô. Aqui, ó. Pertu dus óio.
– E essa é forte?
– Também é forte não. Quandu ela dá eu cunversu cas vizinhas i passa.
– Outra?
– Tenho sim senhô. Aqui. Anssim, nu meio das custela, pareci nu coração. Dá uns apertu aqui, ó.
– E você faz o que?
– Tem veiz qui eu choru. Trasveiz eu ficu anssim, muitu da queta pra vê si passa.
– E passa?
– As veiz. Trasveiz eu vô pra pracinha.. Lá eu sentu num bancu vê as criança brincá prá esperá passá…
– Você mora com alguém?
– Moru não, Dotô. Sô sunzinha nessi mundão di Deus.
– Não tem família?
– Aqui tenhu não. Minha famia é todinha du interiô du sertão, pertinhu de Urandi, lá quasi im Minas. I vim sunzinha pra Sum Paulu tentá a vida.
– E você faz o que?
– Óia, Dotô. Eu já fiz um cadinhu di tudu nessa vida. Já trabaiei numa firma di limpeza, já cuidei di criança. Já trabaiei numa casa di genti rica.
Agora eu trabaio cuma mocinha qui mais viaja qui fica im casa. Ela avua num avião di dia i di noiti. Aí eu ficu sunzinha..
– Você mora com ela?
– Moru sim, Dotô. Ela dexa eu drumi num quartinhu lá nus fundu da casa.
– Sabe cozinhar?
– Oxa si não! Cunzinhu muitu du bem! Coisa mais simpres anssim i coisa mais di genti chiqui.
– Gosta de crianças?
– Ô, seu Dotô. É as criaturinha mais anjinha qui Deus botô nu mundu!
– Qual o seu nome mesmo?
– Óia, Dotô. Eu num gostu muitu, mas a modi agrada a santa, minha mainha botô Crara.
– Dona Clara. Eu sei o que a senhora tem.
– Comu anssim, si o Dotô nem incostô im mim?
– O que a senhora tem Dona Clara, chama-se solidão e é a causadora de toda essa tristeza.
– I issu mata, Dotô?
– Ás vezes, sim. Mas, no seu caso bastam amigos, alguns remédios e um pouco de carinho…
-Dona Clara. Vai parecer estranho e nem eu mesmo entendo porque estou fazendo isso, mas minha esposa está grávida e nosso segundo filho é para o mês que vem. Já temos uma menina. E até hoje é minha esposa que cuida de tudo. Porém, com o bebê pequeno precisamos de alguém que cuide da casa.
Que tal ficar conosco?
– Oxa si não! Óia, Dotô. Nunca fizeram issu pur mim não. Vixe! Vai sê coisa muitu da boa ficá cum oceis. I careci di morá lá, Dotô?
– Sim. Temos um quarto vago, no apartamento. Podemos tentar por uns meses..O que acha?
– Dotô. É anssim como tê famia, né?
– Quase.
– Dotô. Eu num vô mais sê sunzinha. Vixe! Deus lhi pague, Dotô, a modi qui carinhu anssim, nem mainha mi dava.
– Vamos testar. Combinado?
– Cumbinadu. Dotô. Careci di eu fazê uma pregunta.. Eu num vô mais senti essas dor?
– Vamos combinar uma coisa? O dia que sentir essa dor você me procura.
– Prá modi du senhô mi inxaminá?
– Não. Prá modi nóis trocá dois dedinhu di prosa.

* Mais de 400 milhões de pessoas no mundo sofrem de depressão.
* A maioria dos pacientes deprimidos que não é tratada irá tentar suicídio pelo menos uma vez, e 17% deles conseguem se matar.
Com o tratamento correto, 70% a 90% dos pacientes recuperam-se da depressão.
* Aproximadamente 2/3 das pessoas com depressão não fazem tratamento e dos pacientes que procuram o clínico geral apenas 50% são diagnosticados corretamente.
* Segundo o último relatório da Organização Mundial de Saúde a depressão é mais comum no sexo feminino, afetando de 15% a 20% das mulheres e de 5% a 10% dos homens.

Não precisa levar p’ra casa, mas o coração precisa estar aberto para escutar. Pensemos na oportunidade de acolher, de aprender com as diferenças, sem importar quais sejam. Somos humanos, sempre em busca de conhecimento.

O poder de cura do Sol

“Da mesma forma que a luz do sol desencadeia uma série de reações químicas que nos deixam com mais disposição, à noite o processo se inverte e o corpo começa a relaxar. É nosso relógio biológico em funcionamento. Em países onde o inverno é rigoroso e os dias mais curtos, as taxas de depressão, irritação, cansaço e tristeza são proporcionalmente maiores.

A radiação ultravioleta é responsável pela absorção da vitamina D, que nos ajuda a ter ossos mais fortes através da maior fixação de cálcio no organismo. Não é a toa que os médicos recomendam que bebês e idosos peguem sol duas vezes ao dia, por dez minutos. Ele combate a icterícia e a osteoporose, entre outras doenças.

Mas não adianta ir à praia e torrar ao sol para obter seus benefícios. O correto é acordar cedo e aproveitar o sol da manhã, de preferência até as 10h30 ou depois das 16h e sempre com a proteção adequada para seu tipo de pele. Filtros solares são essenciais para nos proteger de queimaduras, descamações e do envelhecimento precoce.”
Da mesma forma que a luz do sol desencadeia uma série de reações químicas que nos deixam com mais disposição, à noite o processo se inverte e o corpo começa a relaxar. É nosso relógio biológico em funcionamento. Em países onde o inverno é rigoroso e os dias mais curtos, as taxas de depressão, irritação, cansaço e tristeza são proporcionalmente maiores.

A radiação ultravioleta é responsável pela absorção da vitamina D, que nos ajuda a ter ossos mais fortes através da maior fixação de cálcio no organismo. Não é a toa que os médicos recomendam que bebês e idosos peguem sol duas vezes ao dia, por dez minutos. Ele combate a icterícia e a osteoporose, entre outras doenças.

Mas não adianta ir à praia e torrar ao sol para obter seus benefícios. O correto é acordar cedo e aproveitar o sol da manhã, de preferência até as 10h30 ou depois das 16h e sempre com a proteção adequada para seu tipo de pele. Filtros solares são essenciais para nos proteger de queimaduras, descamações e do envelhecimento precoce.

(recebi da Tate)

Depressão

Não estás deprimido, estás distraído.
Por isso acreditas que perdeste algo, o que é impossível, porque tudo te foi dado. Não fizeste um só cabelo de tua cabeça, portanto não és dono de coisa alguma.Além disso, a vida não te tira coisas: te liberta de coisas… alivia-te para que possas voar mais alto, para que alcances a plenitude.
Do útero ao túmulo, vivemos numa escola; por isso, o que chamas de problemas são apenas lições. Não perdeste coisa alguma: aquele que morre apenas está adiantado em relação a nós, porque todos vamos na mesma direção. E não esqueças, que o melhor dele, o amor, continua vivo em teu coração.
Não existe a morte… Apenas a mudança.
E do outro lado te esperam pessoas maravilhosas: Gandhi, o Arcanjo Miguel, Whitman, Santo Agostinho, Madre Teresa, teu avô e minha mãe, que acreditava que a pobreza está mais próxima do amor, porque o dinheiro nos distrai com coisas demais, e nos machuca, porque nos torna desconfiados.
Faz apenas o que amas e serás feliz. Aquele que faz o que ama, está benditamente condenado ao sucesso, que chegará quando for a hora, porque o que deve ser será, e chegará de forma natural.
Não faças coisa alguma por obrigação ou por compromisso, apenas por amor. Então terás plenitude, e nessa plenitude tudo é possível sem esforço, porque és movido pela força natural da vida, a mesma que me ergueu quando caiu o avião que levava minha mulher e minha filha; a mesma que me manteve vivo quando os médicos me deram três ou quatro meses de vida.
Deus te tornou responsável por um ser humano, que és tu. Deves trazer felicidade e liberdade para ti mesmo. E só então poderás compartilhar a vida verdadeira com todos os outros. E se estás com câncer ou AIDS, podem acontecer duas coisas, e ambas são positivas: se a doença ganha, te liberta do corpo que é cheio de processos (tenho fome, tenho frio, tenho sono, tenho vontades, tenho razão, tenho dúvidas)… Se tu vences, serás mais humilde, mais agradecido… portanto, facilmente feliz, livre do enorme peso da culpa, da responsabilidade e da vaidade, disposto a viver cada instante profundamente, como deve ser.
Lembra-te : “Amarás ao próximo como a ti mesmo”. Reconcilia-te contigo, coloca-te frente ao espelho e pensa que esta criatura que vês, é uma obra de Deus, e decide neste exato momento ser feliz, porque a felicidade é uma aquisição. O bem é maioria, mas não se percebe porque é silencioso. Uma bomba faz mais barulho que uma caricia, porém, para cada bomba que destrói há milhões de carícias que alimentam a vida. Vale a pena, não é mesmo?
Aliás, a felicidade não é um direito, mas um dever; porque se não fores feliz, estarás levando amargura para todos os teus vizinhos.
Um único homem que não possuiu talento e valor para viver, mandou matar seis milhões de judeus, seus irmãos.
Existem tantas coisas para experimentar, e a nossa passagem pela terra é tão curta, que sofrer é uma perda de tempo. Podemos experimentar a neve no inverno e as flores na primavera, o chocolate de Perusa, a baguette francesa, os tacos mexicanos, o vinho chileno, os mares e os rios, o futebol dos brasileiros, As Mil e Uma Noites, a Divina Comédia, Quixote, Pedro Páramo, os boleros de Manzanero e as poesias de Whitman; a música de Mahler, Mozart, Chopin, Beethoven; as pinturas de Caravaggio, Rembrandt, Velázquez, Picasso e Tamayo, entre tantas maravilhas.
Não estás deprimido, estás desocupado.
Ajuda a criança que precisa de ti, ajuda os velhos e os jovens te ajudarão quando for tua vez. Aliás, o serviço prestado é uma forma segura de ser feliz, como é gostar da natureza e cuidar dela para aqueles que virão. Dá sem medida, e receberás sem medida. Ama até que te tornes o ser amado; mais ainda converte-te no próprio Amor. E não te deixes enganar por alguns homicidas e suicidas.
Se Deus possuisse uma geladeira, teria a tua foto grudada nela. Se ele possuisse uma carteira, tua foto estaria nela. Ele te envia flores a cada primavera. Ele te envia um amanhecer a cada manhã. Cada vez que desejas falar, Ele te escuta. Ele poderia viver em qualquer ponto do Universo, mas escolheu o teu coração. Encara, amigo, Ele está louco por ti!
Facundo Cabral
Este cantor e compositor é autor de várias músicas que conhecemos na voz de cantores famosos. A sensibilidade das suas letras continuam comovendo o mundo.

Pornografia quer ajuda

As pessoas estão muito deprimidas para estarem sexualmente ativas, o que não é natural e transforma os EUA em um país pouco saudável. Os americanos podem ficar sem carros e outras coisas, mas não podem ficar sem sexo”.Flynt usa este argumento para justificar o pedido que encaminhou ao Congresso Americano, em busca de ajuda para a indústria pornô.

Eu me pergunto se o senhor Flynt tem ideia do que seja depressão. Acredito que não, ou não falaria semelhante bobagem. Não tenho nada contra a pornografia, (vê quem quer, compra quem quer), mas achar que uma pessoa em depressão, cuja vida sexual está prejudicada, se sentirá estimulada a procurar ajuda em uma banca de jornal, é forçar a barra. A depressão ao afetar a libido afeta também a busca pelo estímulo. Com tanta coisa para se fazer para ajudar as pessoas com depressão, parece piada que um Congresso ocupe o seu tempo com esse tipo de discussão.